DENÚNCIA - Vereador acusado de assédio sexual

Acusação chegou até a Câmara Municipal após a suposta vítima registrar um boletim de ocorrência. Caso foi denunciado no dia 9 de novembro

DENÚNCIA - Vereador acusado de assédio sexual

O vereador Henrique Samuel está sendo acusado de assédio sexual. A acusação chegou até a Câmara Municipal após a suposta vítima realizar um boletim de ocorrência. A reportagem da FOLHA teve acesso aos documentos do boletim de ocorrência.

A solicitante, de iniciais M.R.B.S., com idade de 28 anos, relatou à PM que foi assediada pelo vereador. Ela conta que foi até o gabinete do acusado para fazer um pedido de emprego e, enquanto conversavam, ele a “pegou pela cintura e perguntou sua altura”. Ainda durante o atendimento, o vereador ofereceu à jovem uma carona até a Secretaria de Educação e, dentro do carro, ele “passou a mão nas pernas da solicitante, que se esquivou arredando para o lado”.  Conforme o B.O. formalizado, de número REDS 2023-052356460-001, o caso aconteceu no dia 9 de novembro, às 14 horas. A denúncia foi realizada no mesmo dia, às 15h51.

Além da ocorrência registrada na Delegacia de Polícia Civil de Itaúna, a Procuradoria-Geral e a chefia de gabinete receberam a denúncia, por parte de um familiar da vítima, solicitando que a Presidente da Câmara, Adriana Camargos, apure a acusação de crime. Conforme texto enviado, “quando ela [a vítima] resolveu se abrir para a família ela contou que esse vereador malfeito pegou ela (SIC) pela cintura, passou a mão nos seios e deu uma encoxada (SIC) nela. Ela ficou em estado de choque. Depois o malfeitor fez com que ela entrasse no carro dele e no caminho começou a passar às mãos nela tentando abusar sexualmente” (SIC). A solicitação foi realizada nos dias 17 e 21 de novembro.

A reportagem entrou em contato com o vereador Henrique Samuel, que afirmou que está com a consciência absolutamente tranquila, que todos na cidade conhecem a sua índole e que já contratou um advogado conhecido na região, que já está acompanhando o caso. Segundo o vereador, não existe ainda um depoimento da suposta vítima na polícia e que as provas de que não existiu nada do que está sendo denunciado serão apresentadas no momento certo.